abril 20, 2013

A vida não te dá recibos




Já se deram conta de que a gente passa mais tempo fazendo coisas que não gostamos?
Por mais que você goste da sua profissão e de colegas de trabalho, as vezes não parece que a gente passa mais tempo com eles do que com a nossa família, com pessoa que amamos? 
E no fim das contas, as contas são paga sim mas e o tempo que passou? Se você ainda aprendeu algo com esse tempo, posso dizer que não foi perdido . Agora se você é o tipo cabeça dura, teimoso e tem o orgulho ferido...Meu amigo, sinto dizer que você não viu oportunidades de aprender. E assim perdeu um tempo valioso. 

A vida não te dá recibo ou notas.

Mas voltando o assunto, o trabalho faz o tempo passar rápido, quando você se da conta a semana já acabou e o fim de semana também!
Você fez tudo o que queria? Conheceu pessoas novas? Saiu com os amigos? Achou alguém para a vida inteira?
E os cursos? Vai dizer que você volta cansado demais e não dá tempo? Será que a solução para descansar é mesmo se esparramar no sofá e ali ficar até a hora de dormir?
A gente sempre dá um jeito das coisas andarem mesmo se não for do jeito que esperamos, as coisas andam e a vida acontece. E isso é bom mesmo acontecendo rápido, o mundo girando acelerado atrás de tempo perdido. 
O que precisa para tudo isso é ter resignação aceitar as coisas como são e sempre procurar o lado bom da vida. A vida é boa a gente é que fica procurando defeito, vendo pelo em ovo. 
Problemas? Todos temos, eles só tem o tamanho que você deseja que ele tenha, a vida não é fácil porque se fosse não aproveitaríamos e não daríamos o devido valor a tudo que acontece. E todo mundo sabe disso.
Ver mais arco-íris não vai prejudicar os seus dias. A única pessoa que atrapalha você, é você mesmo.

O tempo que passamos no trabalho vai continuar passando. Só repense no que você faz com os seus outros tempos. O mundo não vai desacelerar, só porque você quer reclamar. O tempo é o mesmo para todos, o diferencial é a nossa subjetividade.

G. C. Pezzatto





abril 16, 2013

O mundo não é a nossa colcha



Quando se é jovem muitas vezes o que mais desejamos é sair de baixo das asas dos nossos pais. Independente se temos problemas com eles ou não, as vezes nos dá a impressão de que não somos capazes de fazer metade dos feitos que eles fizeram quando tinham a nossa idade, ou então eles se espelham em nossa juventude para viver e ter o futuro que eles tinham sonhado para eles.
É inevitável, pelo menos uma vez na vida  todo jovem tem a vontade de se jogar no mundo e viver seu sonho.

Preciso dizer que são sortudos aqueles que já almejaram a carreira dos sonhos e os que buscam. Muitos jovens começam debaixo e isso assusta demais, vários receios surgem com o pequeno emprego que conseguiram, se irão permanecer, se será temporário, e os pais? Eles pressionam, pegam no pé por causa do pequeno emprego?

Parece que quanto mais perto de seguirmos adiante em nossa carreira profissional mas longe estamos. Acho que finalmente aprendi a caminhar com meus próprios pés, a cuidar da própria vida. Nós jovens aprendemos a começar a ver o quanto esse mundo é duro e difícil.

Bom, energia temos de sobra!

E essa vontade de ter nosso próprio canto é tão bela quanto qualquer outro sonho. Não desista! Ser independente é mostrar que o mundo não é somente a nossa colcha como muitas vezes vemos.
Se arriscar e começar debaixo é tão nobre quanto começar já em uma posição privilegiada, é questão de entendermos que cada um tem seu tempo. E a diferença é a caminhada, com força, determinação e honestidade chegaremos lá!

"We are young, we are free!"

Enquanto isso faça o melhor que a vida oferece. Abra um sorriso, diga sempre sim para as oportunidades boas da vida, porque o melhor da caminhada é vivê-la em todos os seus plenos momentos.

G. C. Pezzatto


abril 14, 2013

Uma flor roxa




Namoro um garoto chamado Lucas, que de vez em quando rouba uma flor de um jardim qualquer para me dar.
Uma certa vez ele me trouxe uma flor roxa, era linda! Mesmo depois de seca continuou linda. Não sei que tipo de flor que era, porém ainda me lembro de seu cheiro, era delicioso e sempre me fazia lembrar do Lucas. Eu carregava essa flor para cima e para baixo.
Formei um jardim no meu diário com as flores que ele me trouxe. E com muito carinho sempre anoto as datas que sou presenteada com elas.
Aquela flor roxa foi a única para mim. Não era uma ocasião especial nem nada. Era um simples sábado de sol. Acho que foi toda a nossa simplicidade de ser, que a tornou inesquecível  Ela tomou conta do jardim do meu diário, e tomou conta de mim também.
Ele continua a trazer flores, porém nunca mais achou outra flor roxa. Ela foi um achado surpresa em nossas vidas, assim como nosso amor.
Acho que o nosso amor é uma flor roxa.

G. C. Pezzatto

abril 08, 2013

Quando você cresce




E você vai crescendo ,
E ninguém vem lhe avisar,
O quanto isso pode lhe machucar.

Mas com muito amor,
Que não se encontra em outro lugar,
Você aprende a se adptar.

Com carinho e paz,
Que a vida sempre traz,
O seu caminho você trilha e faz.

E você vai crescendo,
O seu amor vai aumentando,
A sua volta tudo vai melhorando.

Se acaso for negado,
Um abraço apertado,
Um outro vem mais desejado.

E você vai crescendo,
Tudo a sua volta vai modificando,
Se o melhor amor você for desejando.

G. C. Pezzatto

abril 04, 2013

Em silêncio



Em silêncio eu vou escutando,
Meu coração a te esperar.
Em silêncio eu vou orando,
Para Deus te abençoar.

Em silêncio eu vou te criando,
Como arte dentro de mim,
Em silêncio eu vou te amando,
Como um grito agudo sem fim.

G. C. Pezzatto

abril 02, 2013

Meu dicionário velho




Velhos hábitos,
Assim como palavras já esquecidas pelo dicionário português,
Me acompanham sem utilidade.

O mundo girou tão rápido,
Que me deu tontura e assim perdi o passo.

Saudades,
Palavra gasta que me acompanha.
Meu lábios pronunciam,
Assim como quem pede beijo.
Saudades,
Nunca saiu do dicionário.

Hoje acordei com velhos hábitos,
Com um dicionário surrado do lado.
Relembrando palavras que ficaram no passsado.

Pronunciei saudades o dia inteiro,
Pedi beijos  ao vento.
Tudo por causa desse mundo que gira,
E me tira do eixo,
Me deixa tonta, enjoada e confusa.
Sou dicionário velho,
Sou sem utilidades.

Fiquei só na saudades,
De seus lábios.

G. C. Pezzatto

abril 01, 2013

2 anos de blog!


Dois anos!
Dois anos!
E que outros tantos venham!

Para quem não sabe o blog faz aniversário dia 30 de março, porém eu não estava em Jundiaí. (No outro aniversário eu também só fiz o post depois que já tinha passado)
Fiz um vídeo, não ficou muito bom porque eu gravei pelo celular (foi um sofrimento só!) se caso não der para ouvir deixe um comentário que gravarei de novo. esse vídeo eu realmente gravei no dia 30 de março.

Eu quero agradecer aos leitores, por tudo mesmo. Se não fosse vocês não teria o por quê de continuar com o blog.

Valeu mesmo!


video

E como sempre curtam no facebook e sigam no twitter.

Obrigada por tudo!